• Mayra Dias

A arte da rega: água em equilíbrio no jardim é a certeza do sucesso no cultivo de vossas plantas.



A maior parte das plantas possui quantidades superiores a 90% de água na composição de suas células. Ela é necessária para uma quantidade enorme de atividades que envolvem o bem-estar e o desenvolvimento das plantas.


Já vos deparaste com aquela planta que não deu tempo de regar toda murcha, desesperada, desidratada, pedindo socorro? Essa é a maneira que elas têm de se comunicar conosco. São vitais para as vossas queridas verdinhas a luz do sol, solo bem nutrido, ar e também a água.


Água é fundamental para que o processo da fotossíntese aconteça, é de onde vem a maior parte do oxigênio que as plantas liberam na atmosfera, se não viu nosso post sobre fotossíntese e luz para as plantas, vai lá dar uma conferida para ficar por dentro do assunto.



A presença da água nas plantas está relacionada também ao crescimento e a estrutura das plantas. Quando uma planta está hidratada adequadamente ela se mantém firme e estruturada pois suas células estão repletas de água.

A diminuição de água na célula das plantas quando alcança quantidade menor que 75% provoca mudanças estruturais e em alguns casos a morte das células.


Percebes porque suas plantas apresentam-se murchas ou caídas quando esqueces de regá-las? Quando não há água o suficiente para preenchimento das células as plantas ficam sem estrutura e apresentam essas características.


A associação de um solo bem nutrido e com a quantidade de humidade adequada para as espécies que cultivas é uma das chaves de um jardim saudável.


Os nutrientes e sais minerais presentes no solo são dissolvidos pela água no momento da rega, ou quando há chuvas na natureza, assim essa mistura de água e nutrientes é absorvida através das raízes e transportada no interior da planta para todas outras estruturas que a compõe, isto é o que proporciona o desenvolvimento pleno de vossas plantas.


Não basta ter um solo bem nutrido se a rega não está equilibrada. Mas, qual a quantidade ideal de água para cada planta?



Aqui novamente nos deparamos com a especificidade de cada espécie, plantas de ambientes mais áridos desenvolveram excelentes estruturas de captação de água, inclusive algumas possuem a capacidade de armazenar a água como é o caso dos cactos e suculentas.


Os cactos inclusive não possuem folhas, o que reduz bastante a perda de água através da atividade de transpiração. Outras plantas possuem as folhas bem pequenas ou revestidas com cera, também para evitar a perda de água. Oferecer água em excesso para essas plantas pode levá-las a um desequilíbrio de suas funções metabólicas.



plantas oriundas de regiões tropicais necessitam de água em quantidades maiores e com maior frequência para que possam manter o desenvolvimento de suas folhas em sua maioria grandes e abundantes, a escassez de água vai leva-las ao atrofiamento de suas estruturas.


A rega é sem dúvida uma das artes e também um dos mistérios da jardinagem. É muito tênue a linha limítrofe entre uma rega que favoreça o desenvolvimento das plantas e uma que prejudique, por isso procure conhecer ao máximo as plantas que escolheu cultivar para saber qual a necessidade que elas têm de água.


É importante para um Plant Lover saber que pode perder vossas plantas pelo excesso ou pela escassez de água e saber identificar sintomas para que possa equilibrar a rega antes da situação se agravar.



Algumas consequências pelo EXCESSO DE ÁGUA podem ser:


  • Apodrecimento de estruturas da planta como raízes, caules e brotos novos;


  • A planta pode apresentar aspecto de murcha e mesmo depois da rega não retornar a seu estado normal porque provavelmente as raízes estão apodrecidas pelo excesso de água, com isso a planta perde as estruturas de absorção de água do solo e murcha;


  • Carência de nutrientes. O excesso de rega pode estar lavando os nutrientes do solo;




  • Morte súbita;


  • Presença de moscas e mosquitos no solo.



Consequências pela FALTA DE ÁGUA:



  • Folhas frequentemente enroladas, murchas e desidratadas;


  • Folhas secas e amareladas;


  • Crescimento lento;


  • Ausência de floração ou abortamento das flores antes da frutificação;


  • Desenvolvimento atrofiado.


Você saberá como agir se observar e cuidar de suas plantas analisando os problemas citados anteriormente e perceberá a necessidade de reduzir a quantidade das regas ou a necessidade de regá-las mais e com mais frequência.


Lembre-se que plantas que sofrem com excesso de água geralmente apresentam o sintoma quando suas raízes já estão prejudicadas ou apodrecidas e por isso na maioria dos casos não há como recuperar. Portanto tente ser cuidadoso com a rega e evite, principalmente, os excessos.


Se suas plantas estiverem saudáveis é um sinal de que sua rega está equilibrada, mas lembre-se sempre de respeitar as mudanças climáticas. Os dias frios e chuvosos de inverno podem exigir uma redução na quantidade de água, mas a primavera está a chegar com dias mais secos, quentes e ventosos que trazem consigo a necessidade de regas com maior frequência.


Ficamos por aqui, pois a chegada da primavera é assunto para nosso próximo post. Gostou das dicas? Partilha com os amigos amantes das plantas e continue a acompanhar nosso blog para mais informações sobre como manter vossas verdinhas sempre saudáveis.

Mayra Dias Geógrafa e Jardinista, criadora de conteúdo para o blog da Oficina Verde, responsável pelo desenvolvimento e implantação de projectos de ecopaisagismo, hortas e pomares biológicos na Jardim de Ervas

19 views0 comments